janeiro 15, 2005

Pausa

Algures, numa rua escurecida por uma noite tardia, existe um átomo que rege o que sinto. Não o guardo só para mim, porque a cumplicidade não mo permite. E por cúmplice, tenho a verdade de um encanto.


1 comentário:

Anónimo disse...

Que sentimento lindo. Ouvi falar nas coisas que escreves, mas não imaginei. Fico à espera de mais.

A nocturna