janeiro 17, 2005

Pausa

Quando o sol se apagar, a avenida ainda estará ali. Seca, fumegante, entretida num torpor de amante e de bordel. Porque a entrega é muda e de ruído. Porque a espera é mesmo assim: suja e dolorida.

Sem comentários: