janeiro 23, 2005

Pausa

Sem que possas evitar, junto dois dedos e suavizo-te a pele dos pulsos. Depois, sem olhar para ti, subo os dois dedos pelo teu braço e quando chego a meio, paro. E deixo-te a imaginar...

1 comentário:

Anónimo disse...

Desmaio.

A nocturna