fevereiro 22, 2005

Pausa

A estrada, o traço contínuo amarelo de onde nascem as duvidas, as metades e os beijos gémeos. Este é o labirinto onde esvair não é verbo. E este, é o remoinho onde se deseja mergulhar.

Sem comentários: