junho 02, 2005

Aos sábados e domingos também

Esta é para quem insiste que estou zangado...

Ao almoço, salada de tofu com laranja, alface e nozes. E água. Muita. Depois, a intenção beliscada com um café. Depois, frases de circunstância avaliadas como verdades universais. O sorriso, a cumplicidade, a porta da saída. Um até logo cheio de coisas que não é preciso repetir. E com o vento na cara, sem reparar nos outros que nos seguem o caminho, regressa a gargalhada, o céu azul com um calor moreno e a intenção de pêssego e ameixa.
Acredito que ainda vale a pena. Quase tudo. Quase, porque não encontro meios absolutos. Acredito que ainda há sol a esperar, nomes para gritar ao fundo da rua, sonos à beira da água, candeeiros de abajour acesos toda a noite, segredos que só se contam baixinho, beijos açucarados, água fresca e letras de canções. E no fim e no depois, ter tudo outra vez. Voltam a ser dez da manhã, os barcos regressam, as janelas estão abertas e o olhar reconhece a candura de todos os dias.
Insistir é a prerrogativa dos complicados. Os outros, os que sabem existir, apanham a maré e deixam-se desaguar. Todos os dias.

Ao som de Steve Harley & The Cockney Rebel "Make Me Smile (Come Up and See Me)"

2 comentários:

Anónimo disse...

Ao encontro da noite perdida

Tive uma doce lembrança
revivi no meu pensamento
os tempos de esperança
tempos de sonho e alento
os tempos da criação
os teares em alegre melodia
o seu trabalhar no meu coração
o cheiro da oficina hoje esquecida
Posso ir a seguir
afogar-me num só mergulho
porque consigo sentir
no passado grande orgulho
Mas o que me prende à vida?
talvez a esperança nunca perdida
o Amor que encontrei
e os sonhos porque lutei.
Um desabafo
uma noite perdida
uma rima esquecida
porque recordei
uma oficina em que vivi
porque olho para uma parede
cheia de troféus
de uma caça duvidosa
troféus caçados
em troca de um sonho prometido
Mas eu estou vivo...
Mas eu ainda sonho?
Mas eu só queria falar de Amor!
Mas eu só queria fazer melhor!
Mas eu só queria melhorar o mundo!
Mas quem sou Eu?

Anónimo disse...

De perdida que estava a noite
na rima já esquecida
na revolta sentida
esqueci meu nome
O grande amigo
FF