abril 19, 2006

O giz continua azul

Um domingo de verão, uma carambola galhofeira percorre o pano esverdeado rumo ao canto escuro. É véspera de segunda feira, sem motivo de urgência. Junto ao balcão, um pires com pastilhas de alcaçuz e um resto de café frio no fundo de uma chávena lascada. Meio copo de cerveja. Algumas cascas de amendoim. São da véspera. Hoje não se limpa. Espera-se. Amontoa-se a preguiça ao longo de cadeiras gastas.
Do fundo do corredor de azulejo, bocados de tarde. Um sol claro e um céu que nunca é demasiado azul. Nas mesas vazias, pó e algum triângulo cansado. Na do canto escuro, uma carambola galhofeira rasga o pano esverdeado. Lá fora, o domingo. Cá dentro, o dia que passa.

Ao som de Madrugada "Hold on to you"

2 comentários:

aliança disse...

algures numa estrada solarenga de Andaluzia...!?

macaso disse...

Como dizer isto da forma mais pura possível? Não sei quem és e provavelmente nunca vou saber mas gosto tanto deste espaço, pela forma como escreves. Escvreves mesmo muito bem. As tuas palavras têm forma, consistência e musicalidade. E mesmo perfume. Hoje cheirou-me a canela.