março 16, 2007

Aperitivo

Parou no sinal vermelho e espreguiçou-se. Aumentou o volume no tom da ira da canção e apoiando-se no banco direito abriu o porta luvas. Reconfortado pela forma da arma debaixo do pano avermelhado, tirou uma pastilha de canela. Mastigou com o prazer de um dia de sol. O calor próprio de um fim de manhã de Julho enternecia-lhe as rugas vincadas junto ao nariz. Tinha fome. Uma fome de sossego à mesa, ao sol, perto de uma máquina de bebidas e com alguma mexicana de decote previsível ao alcance dos olhos. Talvez no Larriva, perto da pista dos galgos. Tirou do bolso o pacote bem amachucado e tirou um cigarro. Restavam dois. Acendeu um fósforo de madeira, dos antigos. Preferia fazer mais de trezentos quilómetros, por aqueles fósforos. Talvez fosse o som, um crepitar de inverno a torrar ao sol. Como sempre, puxou o primeiro fumo até lhe faltar o ar. Um masoquismo que não trocaria por nada. Agarrou o cigarro na ponta dos dedos com a segurança de um trapézio desfiado, na certeza íngreme de anos a fio. Passou a mão pela barba de três dias. Três dias de caminho, comida de chapa e café feito à pressa, bebido com os vagares de um fugitivo cansado. Puxou ligeiramente os óculos escuros para a ponta do nariz, com o esgar próprio de uns olhos encadeados. As cores do mundo eram afinal bem diferentes. Voltou a empurrar os óculos para cima e ficou-se pelo seu universo. Respirou fundo e olhou o semáforo. O verde envolto em poeira traíu-o. Antes de conseguir engatar a segunda já tudo tinha terminado. Do cansaço nem rasto. Apenas restos de chapa torcida e o barulho surdo da normalidade que tenta regressar.

Ao som de Devo "Gut Feeling"

Sem comentários: