maio 23, 2007

Claves e sóis

Era tão mais simples, tão mais cintilante pular entre dois ou três momentos de linha recta para o alto, repeti-los avaramente e com cuidado renová-los por todos os lados e arestas. Por serem dois ou três, bastam-se na sua míngua. Entregam-se as importâncias próprias das facilidades que não existem. Cada um dos dois ou três é tesouro, diamante e sal. Perpetuam-se na janela virada para o relvado, com as árvores despidas e as varandas de estores meio fechados.
Depois dos anos e das estradas mal iluminadas e pior escolhidas, ficam os dois ou três, quase frescos, quase intactos. Um aeroporto, uns olhos vidrados de boneca, um regresso à fantasia ou um flic flac campestre.
E por isso, os meus agradecimentos.

Ao som de Jean-Luc Ponty "New Country"

1 comentário:

Anónimo disse...

Para que conste hoje a minha pele cheira a claves e sóis.
Maria joão