maio 04, 2007

Hesitação em terceiro acto

- Obrigado.
Prefiro olhar lá para fora, antes que a noite acabe. Assim, manter-me sentado sem fazer nada, procurar os contornos dos aviões e as luzes da manutenção, sentir esta ansiedade mínima de não ficar aqui por muito tempo. Ainda tenho na boca o sabor a café. Vou mantê-lo um pouco mais, como uma pastilha elástica enquanto tem sabor. Uma pastilha elástica é um conceito estranho. Tão humano. Só tem sabor por um tempo determinado, que nunca se pode determinar com rigor. Perde o sabor sem um pré-aviso, um pouco como a morte. Quando se dá por ela, já não sabe a nada. Enfim a borracha e plasticina; de uma vez só o aroma e travo desvanecem-se, porque nunca é repentino, e num instante de atenção, eis que mastigamos um bocadinho de pneu esbranquiçado. Mania de usar o plural quando estou sózinho. A morte ou uma pastilha elástica? Ter tempo para qualquer uma das duas, é uma eficiência. Uma capacidade de julgar e manter preferências ajuizadas. Não, o juízo não tem nada a ver com isto. É mesmo uma questão de prioridades e enfrentar as perdas de sabor como inevitáveis e, quem sabe, encontrar a chave para o armário das pastilhas que nunca perdem o sabor. Havia um filme com uma pastilha de sabor eterno. E só por isso, lá perde a ideia o seu naco de atraente. Treta.
E se não partisse?

Ao som de Saigon Kick "Sleep"

5 comentários:

Anónimo disse...

Acredito no eterno, até prova contraria existem pastinhas com sabor perpétuo, amizades indestrutíveis, amores incondicionais, paixões imortais e os seres humanos nunca, mas nunca são descartáveis. Se não fosse exagerada por natureza, amante da utopia não me atirava tantas vezes de cabeça, na esperança de ganhar asas pelo caminho, é boa essa fé. :-)
maria joão

Anónimo disse...

:-(

macaso disse...

Peço imensas desculpas por tão grande erro, caríssimo.
Mas não fui pesquisar na net. Limitei-me a escrever como percebi. Se calhar deveria tê-lo feito. Sempre ouvi dizer que a net faz-nos parecer mais espertos.

macaso disse...

Para ser franca custou-me. estava tão contente com o resultado e veio o caríssimo amigo e zás. Mas obrigada pelo reapro. E não ligue. Sou eu que devo estar naquela altura do mês.

Um grande beijinho muito menos violento do que as palavras:)

macaso disse...

Ai Meu Deus. E agora escrevi reapro?? Pior a emenda que o soneto!
Era reparo, era reparo


Risos