maio 02, 2007

Jovialmente, uma boa noite para si

Mais uma vez no local do crime. Impressão digital sobre impressão digital, projéctil atrás de projéctil, cápsulas caídas no chão em desprezo pela verdade. E na verdade, estes regressos ao mesmo local do crime, como se não houvessem outros para escolher, reflectem-me a ousadia e alguma aventura de sentir sempre algo de novo. Hoje é refractar o cansaço, produzir alguns exemplares com a fábrica ainda a meio gás, enrolar-me num cachecol de cachemira e enfrentar uma noite de temporal, amena pelo bom gosto e agreste pela vontade de sair e não sair do mesmo sítio. Apelos e apetites. Comodismos.
Mais uma vez no local de crimes e beijos fluídos. E mais uma vez o terrível vício de docas e cais depois da meia-noite, ruelas escondidas onde se trocam corpos e carícias escolhidas a la carte, cruzadas de excitação onde se cruzam monges e filantropos. Filantropia egoísta, digo eu. Egoísmo rebuscado, digo eu. É como se o assassino soubesse com rigor onde estão as câmaras de vigilância, e depois de as iludir e cometer o crime escolhesse a menos provável, a encarasse com espírito e depois de um aceno estudado se afastasse, deixando-se filmar e reconhecer pelo mundo.
Por alguma matemática alternativa, é agradável provar o teorema de que a noite tem mais tempo que o dia. E já agora, que os locais do crime sabem sempre mais que todos os outros. Mas isso, é para outras núpcias.

Ao som de Spectral "Avalon"

2 comentários:

Anónimo disse...

Filantropia egoísta ou Egoísmo rebuscado, dizes tu. Egoísmo alienado ou coragem cega digo eu. O assassino sabe com rigor onde estão as câmaras de vigilância, e não quer saber. Ele tem caras, todas legitimas, todas plausíveis, todas dele, mil e uma mascaras: africanas toscas de madeira e finas de porcelana chinesa, é pigmalião por nascimento. No local do crime ele fareja, descodifica, faz teoremas, analisa com rigor cientifico, e aguarda, tem todo o tempo do mundo, o da noite e o do dia, é rei do tempo parado, não se cansa, não desiste, é bom na espera, tem a natureza telúrica de caçador.
Maria João

Anónimo disse...

Jovialmente, uma boa noite para si também.