maio 10, 2007

Pausa para um quarto acto


Esqueci o café, esqueci o sorriso, esqueci até os sindromas de pastilha elástica que neste momento apenas me pareciam uma forma inútil de passar o tempo. Um tempo que teimava em desperdiçar com ninharias.
De olhos fixos na noite por detrás dos vidros imensos do aeroporto, de outro aeroporto ou todos os aeroportos, não quis esperar a chuva nem a humidade na pista para obter um perdão. Aquele perdão que cada um deve a si mesmo, em situações limite. Doiam-me as costas, não tinha o sabor correcto na boca, era tarde e a vontade de qualquer outra coisa, específica por não ser, queimava-me o pescoço. Funguei algum resto de constipação e insisti-me naquela hora de pausa, como se me pertencesse a beira do mar ou o único caminho para a brisa do início da manhã.
Preferia-me numa varanda, num cubículo aproveitado de um prédio esvaziado, talvez devoluto, talvez resignado, com o barulho da chuva a oferecer-me terapia e refúgio, onde os vazios da multidão se desfazem em bicicletas que passam no ruído da borracha molhada e das campaínhas infantis. Numa mão teria uma maçã, que em vez de mordiscar, cheirava com gulodice e inércia. Então, pedia ao relógio que fizesse uma pausa e, como um amigo, sorria-lhe. Um sorriso cheio de antigamente, de ontem, de encontros depois da meia noite, em esquinas largas, onde se agarram filosofias quando voam baixinho.
Mais tarde, muito mais tarde, talvez lhe pedisse para retomar o tempo. Talvez.

Ao som de Blade Runner Blues

1 comentário:

Anónimo disse...

Perdoo-te o tempo imenso sem uma palavra, uma vírgula, um ponto de exclamação ou uma mísera reticência, perdoo-te porque o alívio do fim do longo período de abstinência de frases que nutrem tudo esquece e releva.
Maria joão