maio 23, 2007

Todos os poetas malditos usam boxers

Conheço práticamente todos os poetas malditos. São dezoito. Já foram vinte. Um dia... Mas conheço-os, sim senhor. Quase todos. Com quase todos bebi uns copos. Com quase todos, praguejei e fumei charutos. Com quase todos vomitei vísceras e ciúmes. Com quase todos, partilhei mulheres e paixões. E com alguns, troquei versos de cores escuras, que em noites de recolha do lixo me pesavam nas algibeiras. Com quase todos, vivi histórias de vício e extorsão. Com quase todos, adormeci esgotado, com as mãos trémulas de frio. Conheço práticamente todos os poetas malditos. Chamei-os pelo nome e pelos nomes. Gargalhei com hálitos tenebrosos e absorvi as gargalhadas de quase todos. Uma vez, jantei na mesma mesa com quase todos. E outra vez, quase me afoguei por causa de todos. Conheço a cor dos olhos de quase todos. E já fiz chorar quase todos. Quase todos! Conheço práticamente todos os poetas malditos. E quase todos os poetas malditos me conhecem. Mas todos, mesmo todos os poetas malditos, usam boxers!

Ao som de The Cure "A Forest" (Damian Lertora version)"

2 comentários:

Anónimo disse...

Acima de tudo não quero com os meus comentários amaldiçoar a tua poesia, por tanto me relego ao plano de mera observador, não vou comentar mais, não quero quebrar encantos.
Maria João

Anónimo disse...

Não me tinha apercebido que o Von sabia que eu usava esse tipo de roupa interior, mas isso não importa eu sou o Furão e já fui o James Dean II e também já fui um poeta amaldiçoado e tudo começou à 21 anos, sim fez ontem 21 anos que me tornei um poeta amaldiçoado.
Furão