fevereiro 20, 2011

Para que servem?

Os mordiscos preferiam outra hora e outro bairro, um domingo cheio de igual mas de outro recheio, de mais de alguma coisa onde longe é não estar lá. Desapontado? Não, pois o apenas não será uma única porta ou sequer o beco sem traseiras. As coisas e as ideias que as criam, não são de cor única ou sentido obrigatório. São serpentes que se mostram em terraços, nos tectos dos prédios sob a luz de domingos banhados a ocasos, esse laranja convidativo onde se resume a arte de ser e de existir. Para que servem os amigos, os comentários sem voz, as palavras em fórmula escrita sem olhos nos olhos, ou ao menos a sombra movediça à distância de um agarrão. Pedes, peço, grito por gargalhadas com sabor, rujo as horas onde todos se meterão neste mundo nove sem minutos para o essencial, sem pausas para avançar nessa rota de cumplicidades, de beijos perdidos ao longo da tarde, esse leito fértil onde margens são quando se olha para o lado e se encontra um par de olhos que brilha como o nosso. É cruel a civilização quando assenta na barbárie de ombros sem nome ou mudez adquirida. Faltam as conversas de mesa para mesa, as frases entre desconhecidos, os bons qualquer coisa seguidos de passos assentes em sorriso. Balimos ao clique do período pago ao cêntimo sempre acrescentado. Merecemos a tosquia e o galinheiro. Até o matadouro. Somos bifes cheios de gordura, cascas de algum prazer de segundos. Somos e seremos, evitamos correr para o comboio, sorvemos o café e nunca sabemos a cor da chávena. Raramente sabemos o nome da canção. Esquecer é o rumo do regime. E eu, de pé neste terraço à luz do fim de tarde que me define, silencio a vontade de berrar o teu nome. Os vossos nomes. Para que subam a todos os telhados e lembrem: que os domingos deixem um rasto de açúcar.

Sem comentários: