fevereiro 17, 2013

Começos sem fins à vista



Sem os passos que me levem,
sem os encontros que me façam olhar as horas,
sem a sede que obrigue a procura,
sem o demónio que me faça fugir,
sem a história que me conte,
sem a vontade de outro lugar,
demoro-me na silhueta que o candeeiro me desenhe
fiel à paixão que ainda sinto
a que pertenço
quando o que
for mais uma desculpa
para permanecer
em vez de ser.

1 comentário:

Anónimo disse...

permanecendo, somos.
e as paixões a que somos fiéis agradecem. mesmo Cem as fugas que ensaiamos.

Lets skip the news boy (Ill make some tea)
The arabs and the jews boy (too much for me)
They get me confused boy (puts me off to sleep)
And the thing I hate - oh lord!
Is staying up late, to watch some debate, on some nations fate