março 04, 2013

Roleta russa



Perdido na geometria dos contentores, encontro-me só neste cais de serpentes e mulheres sem amor. Para onde olhe, recebo lições de humildade e cuidado. Se quero estender os braços, a dormência impede-me. Se escolher atirar um beijo, sou esmurrado pelo escuro. Alinho divindades sem ordem aparente. Serão o meu socorro, a suprema hipocrisia neste momento aflito. Sou rodeado por existências que se alongaram demasiado e porque acredito em vértices, entrego o sistema nervoso como caução. Os dedos e as mãos que me moldam a cara e os ombros não têm face. Têm hálitos proibidos e sussurram pedidos assombrosos. No instante em que devo soltar-me, distendo os músculos e entrego-me. Sou um alvo e devo portar-me como tal.

1 comentário:

Anónimo disse...

Alvo em movimento no alongamento dos membros num espreguiçar de espírito.


(a escolha de atirar um beijo é certa. o escuro absorve-o ou devolve-o)