junho 08, 2013

Em violência

Confrontação pelo interior de um vasto início incómodo, aqueles momentos desconcertantes, como se as urtigas viajassem ao colo. Dói-me. Prevejo as decências harmonizando a chuva miudinha, perdidos na praça vasta de catedrais impossíveis, torres desmaiando ao longo do caótico cheiro a fumo. As correntes libertaram os pulsos e a espera terminou, como se houvesse muito a dizer. Os dedos correm e choram virtuosos sobre a pele curtida de virgens invisíveis. A viagem, o pouso de aves de migração, a lauta refeição irremediavelmente fria, a ferida, o pau e o olho morto e azul. Na avenida, o rosto ilumina-se e as janelas enchem-se de emotivos restos de sentimentos. Sinto muito, nas quantidades habituais para esta época. E nos porquês, rebentam fogos de artifício rendados à mão. Nunca o belo gerou tantos esgares.

Sem comentários: