julho 01, 2013

Quarto 222, por favor

Havia algo de liceal, como de definitivo. E se a espera era quieta e morna, o desespero agarrava a roupa da cama ameaçando a palidez. Sempre imaginei a doçura de um quarto de hotel, entrecortada pelo desvario incontrolável de uma profunda decepção. Tudo por uma violenta emoção, mesmo se terminasse em carícia ou num fulminante disparo.

1 comentário:

Anónimo disse...

Magnífico!!!!

(umas vezes termina, começando em carícias intermináveis. outras vezes, fulminantes disparo de atracção impossível a alguns centímetros da fuga)