abril 01, 2014

Despertares antes do sono


Sorvos em regatos deixados no seu sítio, como se o esquecimento fosse um mapa rabiscado. Não te peço horas nem metades de dia, apenas que esperes por mim, sem pausas, com o tempo como margem e o leito feito testemunha. No saber que se encarna em mim, sei as águas e as chuvas como videntes do meu quieto estar. Guardam-me a palidez dos invernos que respiram pelo meus poros. Passam por detrás dos meus olhos um adro de igreja, barcos submersos de remos flutuantes, folhas orvalhadas escudando os muros desbotados das traseiras onde o fio de luz da oficina de alfaiate enfrenta o tarde e o cedo. Na quietude tecem-se os linhos do coração. E mesmo sem te olhar, sem entender a tua falta ou o teu nome apagado, regresso ao limiar dos portões enferrujados que sabem ser a espera uma forma de cura. A cura onde os males repousam e sorriem como se fossem doces.

1 comentário:

Anónimo disse...

O esquecimento é um lugar quieto, onde desaguam as saudades. Sem despedidas, doces são os olhares de luzes nocturnas ao som de mais de cem cidades onde mora a velocidade a que se vive cada dia, como se fosse o último. (Nem sempre é imprescindível saborear o aroma das flores.
https://www.youtube.com/watch?v=HuaCDH6XO50