maio 15, 2014

No sofrimento, até que a minha decisão nos separe


Cada campânula no lugar de cada chefe de estado, o anfiteatro repleto, assassinos, silhuetas esboçando sorrisos, sempre a ocasião acima de suspeitas, braços de punho fácil, seja na mesa ou no decreto, indicadores genéticos e percentagens em pasta de papel como se algo fosse terminar hoje. Em cada lugar, correntes e cadeados como conforto. O burburinho é audível enquanto controlo um semáforo algures no México. Três vítimas, antes do meio dia. Pronto para a videoconferência, apago o cigarro na parede acrescentando arte à sujidade. Sorrio para a câmara enquanto determino o abate da terceira fila a partir de baixo. Gosto de me sentir bem...

1 comentário:

Anónimo disse...

Arte e sujidade provocam-nos a dúvida do que terá acontecido primeiro. Mesmo em ondas musicais diferentes, a sua escrita provoca.

A indiferença não é opção.

(Já o provar que não sou um robô...)