maio 16, 2015

Por detrás das cortinas que já não existem


Ao eleger as decisões mais ousadas, pego no prato e no copo, astros de um sideral entre paredes e porta entreaberta, e submeto-me à cidadela que roda ao vagar dos meus intentos e pressas obtusas. O volteio, esse trote ameno que antecede a entrega, é o caminho que os fiapos do amor descrevem, essas pedrinhas coloridas que antigamente sabiam os destinos de todas as encruzilhadas, mesmo se os muros fossem altos e as árvores de pomar se mostrassem despidas. Os passos eram maiores, enormes como as marés altas salpicando o topo das escarpas laminadas, os dedos esticavam-se abertos na ânsia de tocar verões, os olhos procuravam pontos nos areais ou apenas carreiros indicando onde caíam os arco-íris. As cores eram sempre anil. Agora desmaiam. Ao pousar o prato e copo, quieto esse barulho de vidro contra cerâmica, olho pela janela descobrindo que sou janela, levando para a cama o que lá fora me deixa ver.

Sem comentários: