abril 21, 2013

Corpete ou colete de forças



Espalhados os papéis e as línguas de sede borbulhante
retomo a constante e míseras migalhas,
proíbo cálices de absinto ou água barrenta
resultados ermos da conquista sangrenta do meu ninho.

Balanço hérculeas decisões
de linhas rectas e horários definidos
como se conhecesse as heras
que deformam o meu corpo.

Tenho a pele salgada
crepitando nos lumes da concórdia,
pastos soberbos e demais liberdades,
as bastantes para tornar um homem
num cumpridor de normas e leis numeradas.

Leio os sinais,
as bulas,
os fermentos alheios que me tentam.

Sou um peixe e um nababo,
cruel e disforme,
dono de suaves incrementos.

abril 09, 2013

O que dizem as estrelas.

Anuncio tardios desvarios, dores pretendendo atenção desmesurada, um caminho de aspas e felizes acasos apalavrando todas as suavidades que caibam num atormentado coração. Gelam as curas e mesmo os desígnios são meras hipóteses sem fundamento. Nos campanários agitam-se as horas, como numa orgia de incenso e mentiras. As meias verdades emcabeçam os tomos, as regras escrevem os índices e os números sentam-se nas cadeiras vazias. O mundo fugiu. Refugiou-se nessas cavernas que as montanhas escondem. Os tempos regressam aos tempos sem tempo. Restam as palavras escritas nos muros. Não por muito tempo. Ou talvez, porque não haverá ninguém para ler.