junho 27, 2013

Telhados de cristal

Como uma garrafa de champanhe em mil sítios diferentes, também eu me sentia infalível.

junho 19, 2013

8 minutos mais 5

Estou em casa. Descalço as linhas rectas, centro o olhar em perpendiculares traçadas a olho, como se a justificação caísse no chão e ali ficasse. Aqui estou em casa. Inteiro e sem submissões. Perverso, clerical e em pleno road movie, saltando de estrada em estrada, guloso de moteis desenhados em negativo onde se assombra e se é engolido. Apetece-me suspirar fundo como não seria capaz, apetece-me chorar, estender os braços ao longo dos ombros, fechar os olhos e gritar como um carnívoro. Alguém inventou o tempo e eu preciso de tempo. Obrigo-me por esse alguém, odioso por me escravizar e para onde estendo a mão, pedindo-lhe do seu veneno. Olho para cima e os muros dos palácios à beira do canal, estão ainda lá. As ruas ora pejadas, ora vazias só com as copas das árvores zunindo, estão ainda lá. O rio, a ponte, a esquina, o prédio, estão ainda lá. Eu, sentado num comboio, resvalando na superfície, percorro todas as arestas, sejam bares de sushi ou casas de chá. E rendi-me ao café, por não me importar, ora aí está. Recuso largar os vícios e todas as noites, depois dos candeeiros comporem o seu halo, procuro à janela a janela iluminada do quase 1º andar. Já não a encontro, mesmo se nunca a tenha perdido.

junho 17, 2013

Armários e roupa espalhada por todo o lado

Na curiosidade de ver quem se deita no chapéu do lado, antecipam-se os desejos mastigados pela manhã de areia clara e sol encoberto. Existe uma brisa que só o calor sabe. Os olhos semicerram, as ondas são apenas ondulação e o mar tem aquele aspecto denso que só o petróleo. Os dedos sulcam à procura de justificações, perigos que os amores alheios insinuam como anzóis. O incómodo está lá por inteiro, a visão de um destino sem partida também, e as ideias, atabalhoadas, respiram as ilusões próprias de um confuso estado de inquietação. A palavra adulto viaja ainda longe, da mesma forma que a imaturidade é um trunfo. A ambição só existe até fora de pé, onde cada coisa simples é a mais complicada do mundo. Uma expressão, uma só, define todo o mundo que aqui se conhece. Acho que os "amores de Verão" sabem do que falo.

junho 12, 2013

Perdido no fundo do mar

Preciso desse teu passo
Esse perigo de queda, onde se perdem inocências
Maiores que as aldeias mimadas pela geada.

Construo o banco de jardim
Onde te quero deitada,
Perfilada ao Outono, à chuva dos meus dedos
Ventos fugazes sentindo o sinuoso do teu cheiro.

Venero esse candeeiro de rua,
Halo espraiado sobre ti, feito degrau ou altar,
Cálice carnal que me ordena o trago
Num excesso temente
Ou orgulho desmesurado.

Não te quero rima
Nem medida, nem sequer alma final.

Exijo o etéreo, o fugaz,
A eterna fantasmagoria.

E sempre que disser fim
Que a espada me decepe,
Faça-se justiça.

Alguma divindade recolherá meu coração.

junho 08, 2013

Em violência

Confrontação pelo interior de um vasto início incómodo, aqueles momentos desconcertantes, como se as urtigas viajassem ao colo. Dói-me. Prevejo as decências harmonizando a chuva miudinha, perdidos na praça vasta de catedrais impossíveis, torres desmaiando ao longo do caótico cheiro a fumo. As correntes libertaram os pulsos e a espera terminou, como se houvesse muito a dizer. Os dedos correm e choram virtuosos sobre a pele curtida de virgens invisíveis. A viagem, o pouso de aves de migração, a lauta refeição irremediavelmente fria, a ferida, o pau e o olho morto e azul. Na avenida, o rosto ilumina-se e as janelas enchem-se de emotivos restos de sentimentos. Sinto muito, nas quantidades habituais para esta época. E nos porquês, rebentam fogos de artifício rendados à mão. Nunca o belo gerou tantos esgares.